in ,

GosteiGostei AmeiAmei TristeTriste InteressanteInteressante arrasouuuarrasouuu

Wonho: Porque Não É Só Tristeza de Fã

A luta dos Monbebe é revolucionária e atinge em cheio a desumanização dos artistas de kpop.

Era Halloween, dia das bruxas, mas ninguém imaginava que acordaria com a pesada e inesperada notícia que Wonho – Lee Hoseok – havia deixado o Monsta X. Pra qualquer um que assiste de fora, sem realmente conhecer como as coisas são dentro da indústria do kpop, os protestos online que vem ocorrendo 24 horas por dia desde o anúncio podem parecer somente fãs tristes que não conseguem deixar pra lá.
Mas as coisas são muito mais complexas.


Estamos falando de uma indústria tóxica e conservadora, chefiada por empresas que desumanizam seus artistas e criam fãs com expectativas irreais.

Todo o caos com Wonho e o Monsta X começou quando uma conta anônima no Twitter postou um vídeo fora de contexto. As imagens eram de um fansign, onde Minhyuk – outro integrante do Monsta X – aponta o microfone para o peito de Wonho e este responde com “me too”. O vídeo foi manipulado de forma a parecer que ambos estavam fazendo piada com o movimento feminista #MeToo, conhecido mundialmente por dar voz a mulheres vítimas de abuso. Este movimento tem grande força na Coreia do Sul, onde somente agora as mulheres estão conseguindo espaço para fazer suas vozes serem ouvidas, deixando de lado uma postura passiva e tomando as ruas para mudar uma sociedade inerentemente machista.

Ambos integrantes escreveram pedidos de desculpas, mesmo que o vídeo tenha sido tirado de contexto.
Porém, logo após isso Jung Da Eun – que viveu com Wonho antes de seu debut – veio a público dizer que o mesmo lhe devia dinheiro. E antes que isso se esclarecesse, também acusou o integrante Shownu de ter se relacionado com uma mulher casada.

Em águas ocidentais nada disso seria um escândalo, no máximo motivo para virar assunto de redes sociais por uma semana. Mas no oriente é o bastante para acabar com a reputação e a popularidade de qualquer artista. Antes de que outros integrantes sofressem mais ataques, Wonho se retirou do Monsta X.

Desde então, Monbebes – nome dado ao fandom – vem lutando dia e noite, sem parar, em redes sociais. Reportando artigos e comentários maliciosos enquanto sobem hashtags que expressam sua vontade que Wonho seja re-adicionado ao grupo. Staffs da Starship Entertainment que monitoram o fórum oficial do grupo pediam que os fãs mandassem mensagens ao grupo, e o limite de 2 cartas postadas no fan café ao dia foi aumentado para 7. Na prédio da Starship Entertainment em Seul, foi organizado um protesto silencioso, e centenas de post-its com mensagens foram colados na entrada do prédio, tanto em apoio ao grupo como pedindo que Wonho volte.

Diferente de muitos outros fandoms, que se calam após alguns dias, os Monbebe seguem firmes, trocando as hashtags a cada 12 horas, arrecadando dinheiro para anúncios na Times Square, assinando petições e muito provavelmente começando a mudar o curso da história do kpop.

A RAÍZ DO PROBLEMA

Susan.
Foi o apelido que os Monbebe deram a Han Seo Hee, chave de muitos casos de exposição e difamação no kpop. Mas quem é essa, você pergunta. Han Seo Hee é uma ex-trainee que ganha atenção desnecessária de mídias duvidosas como All Kpop e Koreaboo por trazer à tona informações difamatórias. Ela é uma velha conhecida de qualquer um que está mais a fundo no kpop. Foi ela quem esteve envolvida no caso do T.O.P, integrante do Big Bang acusado de fumar maconha. Ela também foi pivô no caso do B.I do iKon, tendo vendido drogas a ele e causando a sua expulsão do grupo. E quando Jonghyun do SHINee cometeu suicídio, ela tentou seus minutos de fama implicando em redes sociais que tinha um relacionamento com o idol.

Como ela chegou no Wonho?

Atualmente Han Seo Hee namora Jung Da Eun. Entendeu?

E AS EMPRESAS?

As empresas tem tomado uma medida simples e rápida para se afastar de escândalos, como transformar B.I do iKon em bode expiatório para tirar a atenção dos escândalos envolvendo o CEO da YG Entertainment, Yang Hyun Suk, até remover um idol sem nenhuma explicação de um grupo, como a JYP Entertainment fez mais recentemente com Woojin do Stray Kids. É a solução rápida: tire o artista do holofote, o escândalo não está mais nas mãos da empresa.

Um caso recente que abalou o kpop foi o suicídio de Sulli do f(x), e a insinuação de que sua empresa, SM Entertainment, não fez absolutamente nada para a proteger de comentários maliciosos, mesmo sabendo que a artista lutava a anos contra a depressão.

Perder artistas queridos para o suicídio e ver a carreira de três ídolos destruídas por rumores causou uma ruptura na paciência dos fãs.

Ninguém aguenta mais a cultura do boato e desumanização dos artistas do kpop.
Um dos grandes problemas que a sociedade coreana enfrenta é a necessidade da perfeição, feito impossível para qualquer ser humano. Há essa necessidade de se criar uma face de perfeição, onde sua aparência física importa, onde sua vida e seu passado precisam ser extremamente limpos, um robô criado sob medida para um mundo que testa limites e cria obstáculos para essa perfeição. Um padrão que quando não alcançado cria pessoas infelizes, que levam para a internet as suas frustrações. Se para o cidadão comum a expectativa para atingir esses padrões é enorme, imagine você quão devastador é para o idol que precisa ser o epítome do ser humano imaculado quando um boato – infundando ou não – sobre erros do seu passado vem à tona.

Imagine os ataques que sofre alguém que era considerado o exemplo de perfeição quando a sociedade descobre que, na verdade, ele é somente um ser humano.

INCANSÁVEIS

Dia após dia os Monbebe lutam, diante de um silêncio ensurdecedor por parte da Starship Entertainment. É como assistir um exército tentanto quebrar uma muralha alta, firme, e que parece estar começando a sofrer as suas primeiras rachaduras. O que era somente um fandom pedindo a volta de um integrante se tornou uma luta por justiça, se tornou outros fãs percebendo que essa luta não é só pela volta do Wonho ao Monsta X.

É uma luta por mudança.

É uma luta para que um olhar humanizado comece a ser jogado aos artistas. E o primeiro sinal de que a Starship Entertainment está sim vendo suas ações veio com um comunicado de que medidas foram tomadas contra comentários maliciosos feitos sobre Shownu, líder do grupo. A empresa agradeceu aos fãs em uma carta, pedindo que continuem denunciando.

Mas erá que alguma coisa vai mudar? Será que a Starship Entertainment vai se dar a chance de ser parte de uma muito necessária mudança? Ou será que o medo e o conformismo continuarão sendo parte da indústria do kpop?

Uma coisa é certa, esse descontentamento dos fãs não vai acabar aqui, essa atitude dos Monbebe é revolucionária. A luta pode não ser ganha dessa vez, mas os primeiros arranhões começaram a ser feitos, e os olhos do mundo estão voltados para a tensão formada na relação Empresa vs. Fãs. Que seja esse o primeiro passo para a mudança.

Nosso coração fica com vocês, Monbebe. Força.

Avatar

Written by Lun Rezende

Comments

Comente

Loading…

0

GOT7 faz comeback com “Call my name”

Jeon Somi vai prestar vestibular este ano